Slam!

A primeira edição do jornal 'das sociais' mostra a que veio materializar. Na forma de canal de fala, espaço para que o conteúdo se realize, traz em sua cobertura o já chegado movimento do Slam, periférico na sua essência, para as salas de aula do ensino superior.

A matéria não se pretende mais audaciosa do que o próprio manifesto que a realiza, apenas convida por meio de palavras o pensamento sobre uma forma de arte que antecipa o bom senso de gerações futuras.

Em outras palavras, o Slam enquanto importante instrumento de manifestação é forma em essência do conhecimento que se adquire vivendo, conhecimento que nenhum livro carrega.

Por ser uma edição que já nasce comemorativa, nada mais empoderador do que colocar a foto da brilhante Mariana Felix que escreveu em veredas poéticas aquilo que toda rua de cidade grande evidencia em sua paisagem, e que paira no ar como uma ideia - um slog, slam em formato de fumaça e névoa - que já ganha a atenção das periferias das periferias.

Assistimos atônitos o crescimento de um movimento que nunca precisou de respaldo documental para se fortalecer. Pelo contrário, mostra que sua força está na tomada de assalto que realiza na surdina, que agiganta depois de uma escura noite de bonitos sonhos e luas crescentes.

scroll

Fernanda Lima, poeta de slam;

atualmente cursa Ciências Sociais na PUC - Campinas

1.

Quero a poesia consumindo meu sangue, como a heroína consome a de um viciado

Quero as letras consumindo meu corpo, como consome a de um livro bem escrito

Quero seu amor consumindo a minha alma, como o medo consome quem sai de madrugada de sua casa

 

Quero você repleta na minha frente como uma modelo fica para seu artista

Quero você desinibida no meu quarto, como um arrogante falando com um tímido

Quero ver sua simplicidade, como a de Jesus ao passar pela terra

Quero você gritando seu amor, como os crentes gritam em suas igrejas
Quero suas curvas se encaixando no meu corpo, como a guitarra se encaixa no corpo de um músico
Quero ouvir suas palavras utópicas, como os poetas escrevendo suas poesias

Mas se não puder ser nada disso!
Então quero que seja só você, nada além de você
Porque mesmo que você fosse o pecado criado por os piores do deuses...
... Ainda sim eu te amaria!

Pois apenas com um toque, tiraste minha alma do corpo para que assim ela buscasse uma forma de te amar

E se existisse um deus, ele te criaria para provar que a perfeição não está só nas estrelas, mas em seu sorriso que para mim é o verdadeiro jardim do Éden...!

2.

Eu vou contar para você
Jovem de pouca vivência
Uma história de amor
Que de amor não tinha nada
Se puder me ouvir, por favor não interrompa a minha estrada é longa

Eu andei por muitas cidades e por todas procurava homem, mulher não importava só queria amor para ser meu!
Mas daí que a história desanda, eu muito procurei e acabei encontrando, mas o que não sabia é que amor alí não existia

Porém sou ser que não desisti, minha mãe sempre dizia "se quer amor de filme é melhor ser atriz, mas se quiser um amor verdadeiro nunca desista, porém se não encontrar, parta para longe dessa vida, ninguém vive sem um amor feliz"

Minha mãe era sábia, mas de amor nada sabia
Dizia de amor feliz, mas não encontrou uma pessoa neste mundo que não tenha sofrido por esse sentimento que todos procura!

E eu continuava andando, achei um jovem rapaz de cabelo dar inveja, fazia muito meu estilo e amor me prometeu
E eu como qualquer sonhador deixei suas palavras entrar, nem esperei o tempo passar e disse que uma aliança queria usar
O rapaz que nem sei mais o nome, pôs a aliança, mas dali a dois meses sumiu deixando falsas esperanças!

A cidade era grande e muitos encontrei, tinha mulher que eu chamei de deusas
De amor nada sabiam, de mim só queriam poesias!

Jovem de pouca vivência vou lhe dizer
De nenhum amor verdadeiro provei
Mas todos os amores eu vivi e se tu quer uma lição eu digo
Se queres um amor verdadeiro procura naquilo que faz, mas se encontrar alguém que te mostre o que é amor, faça um livro, pois você tem uma lição a nos ensinar...!

 

Escrito pela redação do site

Fernanda Lima